Os poetas que não sabiam escrever

Ruas que não se falamPontes de algodãoEstrelas que brilhavam no céu dos olhosAstros que flutuavam sobre a doçura dos lábiosAcompanhando a jornada de um viajante Terras lúdicas de cores aquarelaAs fagulhas de um pianista longe do mundoEntre as paredes ouvidos perdidosBuscando notas singularesQuem sabe um dia meus pés apontam o caminho certoE sinta a brisa… Continuar lendo Os poetas que não sabiam escrever

Parcimônia

Muitas vezes a gente fica procurando o porque de coisas inexplicáveisAonde os olhos da gente se perdeu e as conexões se encontraramE é surpreendente e muitas vezes inimaginável o como elas nos acontecem.O como elas nos arrebatam sem nenhum pedido explícito.Mas chega como uma dádiva, um presente que muitas vezes a vida te mostra que… Continuar lendo Parcimônia

Antes que o vento leve

Tem dias que a gente acorda escutando aquele barulho lá dentro, no interior mais próximo daquilo que somos de verdade, clamando que toquemos nas estrelas, flutuemos sobre os mares mais profundos. Pedindo que desenhemos uma nova estrada no mapa com os nossos próprios pés. Conversando com borboletas no deserto de cores variadas para contar lá… Continuar lendo Antes que o vento leve

Sabor de inverno de um domingo a noite

Pétalas caídas não fazem jardins floridosSaudades que voam não cumprem promessasPalavras escritas não substituem prosas saudosasVoltar atrás não cura feridas Era uma tarde chuvosa quando decidir correr na chuvaLavar a alma que estava cansada de não tentarDeixar molhar as cicatrizes das certezasSe afogar nas poças que mal cabiam meus pésDeixar escorrer o que não me… Continuar lendo Sabor de inverno de um domingo a noite